Opinião: Vasco deve tentar envolver Pikachu e Castan em possíveis trocas

Yago Pikachu e Leandro Castan têm contrato e, mesmo em meio ao caos financeiro, Vasco da Gama não deve abrir mão da dupla sem compensação.

Raphael Fernandes
Por Raphael Fernandes
-  6 de março de 2021 às 00:27-  Atualizada em 6 de março de 2021 às 00:27
Respectivamente, Yago Pikachu e Leandro Castan atuando pelo Vasco
Respectivamente, Yago Pikachu e Leandro Castan atuando pelo Vasco
data-full-width-responsive="true"

Em meio ao processo de reformulação do elenco que vive o Vasco da Gama para a disputa da Série B, dois jogadores identificados com a camisa cruzmaltina e líderes do plantel têm suas respectivas saídas fortemente especuladas.

São eles o lateral-direito Yago Pikachu, que teve suas férias prolongadas pela diretoria e, por isso, não se reapresenta na próxima segunda-feira (08) com os demais jogadores, e o zagueiro e capitão Leandro Castan, que já recebeu consultas de clubes brasileiros e do exterior mas que, por ora, volta às atividades no CT do Almirante na semana que irá se iniciar.

Pois bem, é notório e entendível que o Vasco vive um caos financeiro há um bom tempo, acentuado em 2021 com o rebaixamento à segunda divisão, e que precisará readequar seu fluxo de caixa nos próximos anos para tentar voltar a ser protagonista no futebol nacional.

Contudo, mesmo diante deste triste e preocupante cenário, não dá para concordar que o Gigante da Colina perca dois de seus jogadores mais renomados de graça, sem receber nada por isso, apenas se livrando do pagamento de salários e dívidas. Tanto em relação a Pikachu quanto a Castan, o Vasco deve priorizar trocas para reforçar seu elenco.

Sobre o primeiro, que tem atualmente 28 anos de idade e está no Vasco desde 2016, o jogador tornou-se o maior lateral-artilheiro da história do Clube, com 40 gols marcados. Esta marca, vale ressaltar, é chamativa, devido à posição em que o jogador atua (embora muitas vezes tenha jogado mais adiantado).

Pikachu possui contrato com o Vasco até 31 de dezembro deste ano, o que é um tempo considerável, uma vez que estamos ainda no início de 2021. Ele tem valor de mercado, hoje, na faixa dos 1,4 milhão de euros (quase R$ 9,5 milhões na conversão atual), de acordo com o site especializado Transfermarket. Se é praticamente impossível faturar com uma venda, o Gigante da Colina deve pensar em trocá-lo. Com isso, todas as partes saem ganhando.

Já Castan, seis anos mais velho que Pikachu (o que, para os padrões do futebol, é uma diferença considerável) e vinculado ao Vasco até 31 de dezembro de 2022, vale 1,1 milhão de euros (quase R$ 7,5 milhões). Ele foi especulado recentemente no Atlético-MG.

A nível de comparação, o atacante Diego Tardelli, aos 35 anos, vale 1,5 milhão de euros (pouco mais de R$ 10 milhões) e tem contrato com o Galo somente até maio. Por que, então, não tentar uma troca?! Lembrando que este é só um exemplo. Fazendo um mapeamento do mercado brasileiro, é possível encontrar atletas que se encaixam neste mesmo tipo de situação.

As situações de Pikachu e Castan são diferentes da de Neto Borges, por exemplo, que tem contrato com o Vasco apenas até o dia 31 de julho e, portanto, pode e deve ser rescindido amigavelmente o quanto antes, já que o lateral-esquerdo deixou muito a desejar em suas atuações.

Vale ressaltar que a reportagem reconhece que tanto Yago Pikachu quanto Leandro Castan são jogadores que sempre honraram a camisa cruzmaltina. No entanto, o futebol é feito de ciclos e o deles, principalmente o do lateral, chegou ao fim no Vasco.