Opinião: rumo ao Cruzeiro ou a outro clube, chegou a hora de Henrique deixar o Vasco

Com possível interesse do Cruzeiro, Vasco tem grande oportunidade para negociar Henrique, que há anos apenas compõe elenco e não demonstra grande evolução.

Raphael Fernandes
Por Raphael Fernandes
-  29 de janeiro de 2021 às 00:34-  Atualizada em 29 de janeiro de 2021 às 09:22
Henrique durante entrevista à Vasco TV (Reprodução/VascoTV)

Em meio à preparação do Vasco da Gama para o decisivo duelo contra o Bahia no próximo domingo (31), às 16h, em São Januário, pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro, uma informação publicada pelo perfil no Twitter Palco do Esporte chamou a atenção do noticiário cruzmaltino nesta quinta-feira (28).

Segundo eles, o lateral-esquerdo Henrique, vinculado ao Vasco somente até o dia 02 de agosto e, devido a isso, apto a assinar um pré-contrato com qualquer outro clube a partir da próxima terça-feira (02), estaria sendo monitorado pelo Cruzeiro, que disputará novamente a Série B do Brasileirão em 2021.

Pois bem, antes de mais nada, vale destacar que, no momento, Henrique é, com justiça, o lateral-esquerdo titular do Gigante da Colina. Neto Borges, seu reserva imediato, se mostrou, em aspectos gerais, um jogador inferior ao camisa 37 vascaíno e não disse a que veio a São Januário; já Riquelme, considerado uma das principais revelações recentes das categorias de base do Clube e campeão da Copa do Brasil Sub-20, ainda não estreou entre os profissionais e, por isso, não pode ser considerado uma opção plausível para a atualidade cruzmaltina, lutando contra o rebaixamento a poucos jogos do fim da temporada.

Acontece que Henrique, atualmente com 26 anos, é opção no elenco do Vasco desde 2013, quando subiu dos juniores para o time profissional. De lá para cá, foram 186 jogos e apenas um gol marcado com a camisa cruzmaltina. Mesmo não sendo sua principal função em campo, é claro, já que trata-se de um lateral, é um número constrangedor haja vista a quantidade de partidas disputadas.

A falta de gols de Henrique seria facilmente ”camuflada” caso o jogador compensasse o jejum com outros atributos. No entanto, o lateral-esquerdo não se destaca em nenhum fundamento. E isso não é exagero.

Ofensivamente, Henrique não costuma contribuir com dribles, jogadas individuais, passes decisivos ou lançamentos. Seu número de assistências (não confirmado oficialmente) também é irrisório se for ser levado em consideração a quantidade de vezes que entrou em campo.

Já no âmbito defensivo, Henrique apresentou uma leve evolução em 2020, sob o comando do ídolo Ramon Menezes, atuando como um falso terceiro-zagueiro. Porém, vale ressaltar que não chegavam a ser exibições de gala, apenas menos piores do que em outras oportunidades.

Tem que se admitir que Henrique é um jogador esforçado, com bom vigor físico para aguentar os 90 minutos e que dificilmente se machuca. Isso, todavia, é muito pouco para justificar a estadia de um jogador de futebol em um clube grande como o Vasco por tanto tempo levando-se em consideração seu baixíssimo custo-benefício em relação ao desempenho em campo.

Chegou a hora de Henrique, seja no Cruzeiro ou em outra equipe, procurar novos ares. Mesmo que seja só para compor elenco, no Vasco, não dá mais. O Gigante da Colina, agora sob nova gestão, precisa mudar a mentalidade de que um atleta que tem como principal característica ser esforçado serve para vestir a histórica e vitoriosa camisa cruzmaltina.

Deveríamos ter paciência com Henrique se estivéssemos em 2014, quem sabe 2015. Mas em 2021, quase oito anos após sua estreia, já tendo todas as oportunidades possíveis e imagináveis, não. Ao fim da atual temporada, será o momento ideal para o adeus, e sem deixar nem um pouco de saudade.

Leia Mais Sobre