Leven diz que imbróglio judicial sobre eleição do Vasco pode afastar investidores

Candidato da chapa Somamos à presidência do Vasco da Gama, Leven Siano diz lamentar demorado e conturbado imbróglio judicial que vive o Clube.

Raphael Fernandes
Por Raphael Fernandes
-  2 de dezembro de 2020 às 23:48-  Atualizada em 2 de dezembro de 2020 às 23:52
Leven Siano em live da chapa Somamos
Leven Siano em live da chapa Somamos (Foto: Reprodução)
data-full-width-responsive="true"

Candidato da chapa Somamos à presidência do Vasco da Gama, o advogado Leven Siano, que venceu o pleito presencial realizado no último dia 07 de novembro, utilizou seu Twitter nesta quarta-feira (02) para criticar seu oponente no processo eleitoral cruzmaltino, Jorge Salgado, e os presidentes da Diretoria Administrativa e da Assembleia Geral do Clube, respectivamente Alexandre Campello e Faues Mussa.

De acordo com Leven, o imbróglio judicial que vive o Vasco devido à indefinição do seu novo presidente, movimento este que tem participação do trio supracitado, pode atrapalhar sua chapa a conseguir investidores para o Clube.

– A mentirosa narrativa de indefinição liderada por Campello, Mussa e Salgado, quando se tem em pleno vigor uma liminar que se tentou cassar de todas as formas – lícitas e ilícitas – está sabotando o sucesso do Somamos com investidores e parceiros, que vão acabar desistindo do Vasco – disse.

O processo eleitoral do Vasco foi realizado duas vezes até o momento. No dia 07 de novembro, de maneira presencial e com o pleito tendo sido agendado cerca de 12 horas antes, vitória do candidato de Leven Siano. Uma semana depois, no entanto, uma nova eleição aconteceu, de maneira online, com Jorge Salgado sendo o vencedor.

Agora, a decisão sobre quem comandará o Vasco no triênio 2021-2022-2023 está nas mãos do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), que havia marcado o julgamento virtualmente para o dia 17 de dezembro. Mussa, no entanto, foi contra a realização do mesmo desta forma, e a decisão sobre ficou para o ano que vem, após o recesso judiciário.

Leia Mais Sobre