Clima esquentou nas arquibancadas do Maracanã durante clássico; veja bastidores

O dirigente do Vasco da Gama, Alexandre Pássaro, chamou a atenção com suas reações durante o jogo contra o Flamengo, no Maracanã.

Alexandre pássaro durante o clássico no Maracanã
Alexandre pássaro durante o clássico no Maracanã (Foto: André Durão)

O primeiro clássico da nova gestão vascaína terminou como nos tempos de Alexandre Campello. A festa foi do Flamengo do presidente Rodolfo Landim e dos seus numerosos pares nas arquibancadas quase vazias do Maracanã, com vitória tranquila sobre o Vasco do presidente Jorge Salgado.

Em recuperação de Covid-19, o mandatário vascaíno não foi ao estádio na derrota para o Flamengo, nessa noite de quinta-feira – gols de Gabigol, de pênalti, e Bruno Henrique, em bonita cabeçada. Ele foi representado por seus dois vice-presidentes diretos no comando do clube, Carlos Osório e Roberto Duque Estrada.

O clima ameno da cartolagem – Osório foi colega de missão no Comitê Olímpico Brasileiro de Rodrigo Tostes, vice de finanças do Flamengo, e Salgado foi vizinho de escritório no Leblon de antiga empresa de consultoria de Landim – se dissipou quando a bola rolou, com cobranças ao árbitro e muitas reclamações em meio a um duelo desigual em campo.

A vitória deixou o Rubro-Negro na luta por mais um Brasileiro – a dois pontos do Internacional – e afundou o Vasco na inglória batalha contra o rebaixamento. O tabu atual, que já é o segundo maior da história do clássico (17 jogos de invencibilidade rubro-negra), se aproxima do recorde do Expresso da Vitória vascaíno nos anos 1940/1950 – de 20 partidas de invencibilidade.

CBF aumenta cota de dirigentes

Na escalada final para o título, o Flamengo foi reforçado para as arquibancadas, como tem sido hábito desde o afrouxamento da CBF nas diretrizes de retorno das competições – se antes as delegações seriam de até 42 pessoas, agora cada clube pode levar 50 pessoas.

De três dirigentes, agora são permitidos 11 no estádio – no clássico, um dos filhos de Landim, que não tem cargo no clube, entrou nessa cota do Rubro-Negro. Ficou ao lado de vice-presidentes como Rodrigo Dunshee, Gustavo Oliveira, Marcos Braz, e diretores Bruno Spindel, Cacau Cotta, o supervisor Gabriel Skinner, além de membros do chamado “conselhinho” do futebol.

O aumento da cota de dirigentes se deu após solicitação dos clubes.

Entre os vascaínos, além de Osório e Duque Estrada – que viviam o primeiro jogo no Maracanã (tiraram fotos à beira do campo e ficaram no banco de reservas antes da bola rolar) -, estavam José Luis Moreira, vice de futebol nos últimos dias em seu cargo, Luis Mello, novo diretor geral do clube, entre outros membros do departamento. Incluindo o capitão Leandro Castan, suspenso.

Novato no clássico carioca, o ex-diretor executivo do São Paulo Alexandre Pássaro era o mais exaltado na primeira etapa. Reclamou bastante das marcações de Raphael Claus e de seus auxiliares. Pediu faltas, cartões e “revisou” lances no celular antes de reclamar e ironizar:

– Está cego, c….?! Não tem VAR nessa p… não? Não tem falta, Claus? A gente está vendo daqui – berrou ao bandeira, verificando as imagens da partida em tempo real.

Do lado rubro-negro, com domínio no primeiro tempo, Landim se levantou pouco antes de comemorar o primeiro gol do Flamengo – no pênalti, pediu segundo amarelo para Léo Matos, que seria expulso. Fora este momento, os dirigentes e também os jogadores que ali assistiram à partida – casos de Diego Alves e Rodrigo Caio – só aplaudiram as ações do time e tentaram controlar Gabigol.

Marcos Braz quase pulou da primeira fileira ao ver Gabriel Barbosa se posicionar em frente à barreira antes de boa defesa de Hugo Souza. “Sai daí, Gabriel”, gritou repetidamente. O atacante está pendurado com dois cartões amarelos e saiu de campo ainda nesta condição.

A única reclamação mais acintosa foi de Diego, em disputa de bola de cabeça com Benítez, no qual o vascaíno levou a pior e ficou no chão. Com terceiro amarelo, está suspenso contra o Bragantino.

Foi cabeça com cabeça, Claus. Foi cabeça com cabeça. Eu fui disputar a bola. Olha depois! Eu estou com dois cartões amarelos. Olha depois a injustiça que você fez. Ridículo!

— Diego, meia do Flamengo

Gabigol não curtiu. Nem Luxa

Depois do jogo, o técnico do Flamengo, Rogério Ceni, foi questionado sobre a reação de Gabigol, mais uma vez substituído. O atacante chutou copo d”água, não olhou para Ceni e esbravejou acintosamente, novamente. Diego se meteu na frente, aplaudindo o jogador, mas Ceni disse, ao ver a reação do atacante:

– É criancice, é criancice – comentou o treinador, sem olhar para o camisa 9.

Gabigol gesticulou e questionou mais uma saída de campo antes do fim do jogo, mas se aquietou. No fim da partida, desceu ao vestiário antes dos companheiros, enquanto Ceni cumprimentava todos.

– Nenhum jogador gosta de ser substituído. Eu vejo por outro lado. Esses dias me perguntaram o número de gols que o Flamengo perdeu, eu vi o número de chances que o Flamengo teve. Sem problema nenhum, conheço bem o jeito do Gabriel, não há problema – apaziguou Ceni.

No lado perdedor, Vanderlei Luxemburgo parece cada dia com menos paciência para Talles Magno. O atacante, que perdeu a vaga no clássico para Gabriel Pec, entrou durante o segundo tempo e tentou, sem sucesso, jogadas pela esquerda. Num dos lances, Luxa não quis nem saber:

– Foi falta, p…. nenhuma. Toca a p…. da bola! – gritou o treinador vascaíno, que antes já reclamara também com o ex-goleiro Carlos Germano, hoje preparador, no gol de Bruno Henrique:

– Essa bola é dele, c….!

Fonte: Globo Esporte

Leia mais sobreFlamengoMaracanã
Nenhum comentário ainda.
Deixe sua opinião

Últimas notícias
21 de janeiro de 2022
Vasco aposta em jogadores com menos idade, maiores e com mais rodagem na Série B

Vasco da Gama muda perfil de contratações e investe em atletas mais novos, com maior estatura e mais tarimbados na Série B.

Nenê curte folga em Cabo Frio e tira foto com torcedor do Vasco

Elenco ganhou folga nesta sexta-feira (21) e o meia Nenê aproveitou para curtir a cidade de Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio.

Taça Guanabara só terá VAR nos clássicos

Recurso da arbitragem de vídeo só será utilizado nos jogos da primeira fase que envolvam a participação dos quatro grandes.

Elenco do Vasco campeão da Copinha em 1992 celebra 30 anos da conquista

Jogadores do Vasco da Gama que conquistaram a única Copinha da história do Clube comemoram os 30 anos do titulo.

Rescisões de Caio Lopes e Lucas Santos são publicadas no BID

Jogadores formados na base do Vasco da Gama, Caio Lopes e Lucas Santos tiverem suas rescisões de contrato publicadas no BID da CBF.

Fundo interessado na SAF do Vasco acumula inexperiência e crises de gestão

O grupo americano 777 Partners, que manifestou interesse na SAF do Vasco da Gama, soma falta de experiência e confusões no currículo.

Galarza e Cangá aparecem no BID; Getúlio e Matheus Barbosa aguardam liberação

Matías Galarza e Luis Cangá estão regularizados na CBF e poderão jogar na estreia do Vasco da Gama no Campeonato Estadual.

Confira as informações sobre ingressos para a estreia do Vasco no Carioca

Veja tudo que você precisa saber sobre a venda de ingressos para a partida de estreia do Vasco da Gama no Campeonato Carioca.

Caio Lopes se despede do Vasco

Caio Lopes, ex-jogador do Vasco da Gama, se despediu do Clube nesta sexta-feira através de postagem no Twitter.

Vasco lança ingressos colecionáveis digitais para o Carioca 2022

O Vasco da Gama lançou em parceria com a Block4, ingressos colecionáveis digitais para o Campeonato Carioca 2022.

Veja mais notícias