Associação faz duras críticas ao balanço da SAF do Vasco; saiba os pontos

Felipe Carregal, VP jurídico do Vasco da Gama, classificou a gestão da 777 Partners como 'caótica' e disse que estão 'enxugando gelo'.

Felipe Carregal, vice-presidente jurídico do Vasco
Felipe Carregal, vice-presidente jurídico do Vasco (Foto: Marcelo Wance/Vasco da Gama)

A posição de confronto por parte do associativo do Vasco se acirra a cada semana. O vice-presidente jurídico do clube, Felipe Carregal Sztajnbok, fez duras críticas ao balanço da SAF publicado na terça-feira. O VP nomeado por Pedrinho vê uma “gestão caótica da 777 Partners”.

O lado da associação não publicou o balanço relativo a 2023. O prazo acabou na terça. Procurado pelo ge para explicar o atraso, Carregal Sztajnbok respondeu às questões e atacou a SAF. O VP jurídico entende que a 777 “gasta muito sem objetividade” e afirmou que há preocupação no associativo sobre o futuro da SAF.

Procuradas para responder às críticas, a SAF do Vasco e a 777 Partners não quiseram se manifestar.

– No português claro, estão enxugando gelo. Todo mundo sabe que essa estratégia não ataca a origem do problema. A dívida nunca será paga. Em resumo, a situação é péssima. E, pior, continua crítica considerando o aporte deste ano e o do ano que vem, que será o último. Mesmo assim, a Vasco SAF ainda continua no vermelho. Estamos muito preocupados com o futuro da Vasco SAF – disse Carregal.

– Temos bons exemplos de SAFs no Brasil que estão atacando a dívida e reduzindo o passivo rapidamente. O Bahia, do City, é uma delas. Se você mata a dívida, o que entra para a SAF entra limpo, no caixa, para investimento. Esse é o primeiro grande passo em direção ao equilíbrio financeiro. A Vasco SAF, como se vê no balanço, está bem longe disso.

A gestão de Pedrinho corre o risco de sofrer penalidades por não ter publicado o balanço financeiro dentro do prazo estabelecido pela Lei Geral do Esporte. Desde 1998, a legislação brasileira prevê obrigações contábeis de ligas desportivas, entidades e clubes. Em caso de não cumprimento, há possibilidade até de afastamento de presidente.

Em nota nas redes sociais do clube associativo, a direção do Vasco responsabilizou a gestão do ex-presidente Jorge Salgado pelo atraso, que teria sido causado pela redução do número de funcionários do departamento financeiro do clube – o que na visão da gestão de Pedrinho teria dificultado a obtenção de informações e documentações para elaboração do balanço.

Salgado respondeu às alegações da diretoria de Pedrinho e disse que “não pode concordar com a triste tentativa de se criar uma narrativa irreal para transferência de responsabilidades”. As duas versões estão na reportagem publicada pelo ge mais cedo.

Da dívida de cerca de R$ 700 milhões que a SAF assumiu do clube, R$ 210 milhões foram pagos até o momento – R$ 90 milhões em 2022 e R$ 120 milhões no ano passado. Considerando atualizações e correções registradas no resultado financeiro da empresa, a redução líquida da dívida é de R$ 60 milhões. Um dos principais desafios é diminuir o custo desta dívida. Isso significa renegociar para obter descontos, redução de juros e alongamento.

A quantidade de gastos e o custo operacional da SAF foram pontos da crítica da gestão de Pedrinho. O vice-presidente jurídico do CRVG citou o parecer do Conselho Fiscal da SAF e da auditoria para reforçar que o Vasco SAF “corre risco de falência”.

– Está muito claro que estamos sentados em cima de uma bomba-relógio. O Conselho Fiscal da SAF e a auditoria independente foram muito didáticos acerca do risco de falência da Vasco SAF. Não sou eu que estou dizendo isso. São especialistas. A Vasco SAF está alavancada, com um custo operacional altíssimo. Está se gastando muito sem objetividade, sem planejamento – afirmou o VP jurídico.

– A gestão da Vasco SAF é totalmente contrária às diretrizes definidas na lei da SAF. Não tem gestão profissional, não tem governança, não tem transparência, não tem investimento em estrutura – até hoje não temos um CT digno. A lei da SAF foi criada para, além de oxigenar clubes em dificuldade financeira, trazer gestão profissional para o futebol. A 777 está fazendo o contrário.

O ge mostrou, na terça-feira, que a SAF acredita que três pilares importantes para a autossustentabilidade estão sendo cumpridos: aumento de receitas, racionalização dos custos (ter controle das finanças – quanto entra, quanto sai -, o que antes não existia) e redução de dívidas.

Fonte: Globo Esporte

Mais sobre:SAF
Estamos no Google NotíciasSiga-nos!
2 comentários
  • Responder

    Quando eu vejo a SAF torrar o dinheiro do aporte da 777 de forma tão irresponsável, parecendo não querer alcançar resultado nenhum e nem sequer demonstrar preocupação em não ter um patrocinador master para o time eu me pergunto, será que isso é mesmo só incompetência administrativa dos gestores ou será que tem caroço nesse angu?

  • Responder

    Pedrinho é tipo o rei Acabei que casou com a rainha Jezabel. É presidente mas não manda em nada

Comente

Veja também
Léo Jardim em jogo contra o Fortaleza no Castelão
Dia de Vasco! Gigante enfrenta o Fortaleza em São Januário pela Copa do Brasil

Vasco da Gama e Fortaleza decidirá nesta terça-feira, às 21h30min, quem se classificará às oitavas de final da Copa do Brasil.

Álvaro Pacheco chega ao Rio de Janeiro
Álvaro Pacheco conhece elenco e faz pedido antes de jogo decisivo

Álvaro Pacheco passou uma mensagem de motivação ao elenco e pediu união de todos no jogo decisivo pela Copa do Brasil.

Rafael Paiva durante Athletico x Vasco
Escalação do Vasco contra o Fortaleza

Confira a escalação do Vasco da Gama para o jogo desta terça-feira, contra o Fortaleza, pela 3ª fase da Copa do Brasil.

Vegetti em ação pelo Vasco contra o Fortaleza
Saiba quanto o Vasco receberá se passar pelo Fortaleza na Copa do Brasil

O Vasco da Gama embolsará uma quantia milionária caso avance às oitavas de final da Copa do Brasil, diante do Fortaleza.

Pedrinho e Lúcio Barbosa na inauguração da Exposição dos 100 anos da Resposta Histórica
SAF pede limitação do poder do associativo em agravo contra a liminar

A Vasco SAF deseja um equilíbrio no no Conselho Administrativo entre sócios após liminar que colocou a associação no comando.