Entrevista coletiva de Luxemburgo após o jogo contra o Athletico-PR

O técnico Vanderlei Luxemburgo reconheceu os méritos do Athletico-PR e lamentou a anulação do gol do volante Raul.

O técnico Vanderlei Luxemburgo dividiu as primeiras impressões sobre o empate do Vasco com o Athletico - 1 a 1, gols de Madson e Danilo Barcelos, de pênalti. Ele reconheceu méritos do time paranaense, que ganhou nesta semana a Copa do Brasil, mas reclamou do comportamento do rival, com cera e "antijogo" em São Januário. E lamentou a anulação do gol de desempate, de Raul.

No lance, o árbitro Anderson Daronco reviu no vídeo o pisão de Henriquez em Santos e anulou o gol da virada do Vasco. Vanderlei Luxemburgo considerou que o lance deveria ter sido validado.

- Futebol tem contato, tem horas que é difícil de evitar. O cara está ali. Fiz questão de ver o lance. Não vi em momento algum a intenção do Henriquez de pisar o pescoço do cara (Santos). Ele está caído e não tem como ele (Henriquez) fugir do choque ali. Não teve intenção de sair pisando. Falta sensibilidade do VAR de entender que não conseguiu fugir do choque. Henriquez não é jogador violento. É um choque que simplesmente acontece - disse o treinador do Vasco.

Campeão da Copa do Brasil, o Athletico-PR saiu na frente, com gol de Madson, ex-jogador do Vasco, em cabeçada no segundo tempo. O técnico vascaíno elogiou os atleticanos, mas fez críticas e lembrou confusão na partida dos paranaenses com o Santos, na Vila Belmiro.

- A torcida abraçou o time. Em momento algum vi a torcida se voltar contra a equipe. Viu que estávamos dentro do jogo. Enfrentamos uma grande equipe, acabou de vencer a Copa do Brasil. Vem de um ano e meio pronto, base, treinador, é difícil de conquistar vitória. Ganharam do Flamengo, Inter, venceram a Copa do Brasil. É o time mais argentino hoje do Brasil - definiu, antes de explicar:

- É o que mais toma tempo de jogo. Com queda, morosidade no atendimento, ganhando tempo na lesão. É um time que sabe estar com resultado e fazer coisa que argentino faz muito bem. Santos e Athletico na Vila Belmiro também teve isso. Fizeram antijogo a todo momento. Caindo, caindo, ganhando tempo. Mas não quero tirar mérito deles, não. Ganhamos um ponto, não perdemos dois não.

Luxemburgo durante entrevista coletiva

Veja outros trechos da entrevista de Vanderlei Luxemburgo:

Substituições no jogo

- O time está evoluindo. Houve as trocas normais, mantendo de início a estrutura tática e depois mudando. Houve um momento em que mudei a estrutura tática. Depois do pênalti, começamos a dominar o jogo. Eles só tinham o contra-ataque e a bola parada.

Bom momento do Raul

- Ele vem jogando bem há tempos, fazendo participação. Hoje foi mais agudo ainda, decisivo. Estamos criando essa característica nele. Meia tem de pisar na área. E ele pisou na área, fez ultrapassagem. Eu acho que volante que fica por trás.

Mudança na postura

- Primeiro eu queria dar estrutura tática. A primeira foi ficar fechado, retraído. Eu dei essa estrutura, mas agora preciso crescer um pouco mais. Eu vejo que utilizam muito os goleiros. A gente fez a bola voltar ao goleiro para ele arriscar. O goleiro é muito bom e mesmo assim eles erraram. Eu não saí tocando porque tem uma marcação adiantada muito boa. Treinei também, você viu que eu treinei o Ribamar para a bola sobrar para o Talles. Queríamos dessa forma.

Momento do Vasco

- Se você pegar da minha entrada para cá, a nossa disputa é de Brasileiro disputando lá em cima. Em oitavo, sétimo, sexto. Nós estamos dentro da competição. Estamos jogando o Brasileiro com a intensidade que ele permite.

Perda de Talles

- O clube forma jogador, paga salário, isso, aquilo, e falta a CBF entender a necessidade. Estamos numa posição de buscar manter o time na primeira divisão e eles estão radicais no sentido de liberar o jogador. Já não liberaram.

Leia mais sobre: Vasco x Athletico-PR, Vanderlei Luxemburgo

Comentários

Últimas notícias

Veja mais notícias »