Vasco não receberá premiações milionárias no início da Copa do Brasil

O Vasco não está entre os 15 primeiros colocados no ranking da CBF e receberá menos nas duas primeiras fases da Copa do Brasil.

Jorge Salgado, presidente do Vasco
Jorge Salgado, presidente do Vasco (Foto: Divulgação/Vasco)

A Copa do Brasil começa diferente para o Vasco. Ao contrário das últimas edições, desta vez não receberá premiações milionárias nas duas primeiras fases. Pelo jogo desta quinta, contra a Caldense-MG, o clube garantirá R$ 560 mil. Caso avance, abocanha mais R$ 675 mil. A soma não chega à metade do que o Botafogo, também rebaixado à Série B e já classificado para a próxima etapa, assegurou. A razão disso está no ranking da CBF. Pela primeira vez, os cruz-maltinos não estão entre os 15 primeiros.

Desde 2013, este sistema de ranqueamento considera o desempenho dos clubes nas últimas cinco temporadas (antes, contabilizava todo o histórico em competições nacionais). Com isso, passou a fazer um recorte mais temporal. E suas aplicações vão além de ajudar no emparelhamento das chaves da Copa do Brasil.

Uma delas é justamente a definição das premiações. O Vasco está no Grupo 3 (formado por aqueles que não estão nem entre os 15 primeiros do ranking e nem na Série A do Brasileiro). Nas duas primeiras fases, estes clubes têm direito ao menor valor do bônus por participação. Flamengo e Fluminense (que estreiam na terceira fase por jogarem a Libertadores), além do Botafogo, estão no Grupo 1.

O Vasco é o 16º do ranking. Há oito anos, era o terceiro. Aquele foi seu último momento de protagonismo no cenário nacional. Venceu a Copa do Brasil de dois anos antes e fez boas campanhas nos Brasileiros de 2011 (vice-campeão) e de 2012 (quinto colocado). A partir daí, foram temporadas brigando contra o rebaixamento ou na Série B.

Ainda que não seja capaz de representar fielmente a temporada de cada clube (pois não contabiliza competições internacionais), o ranking oferece, ao longo dos anos, um retrato da movimentação de forças no país. A versão de 2013 foi liderada pelo Fluminense, campeão nacional em 2010 e 2012. Os tricolores eram seguidos pelo Corinthians, que venceu a Copa do Brasil de 2009 e o próprio Brasileiro, em 2011. Assim como o Vasco, também sofreram um declínio à medida que se afastaram do protagonismo das competições.

Tanto os movimentos de ascensão quanto os de declínio passam pelo mesmo fator: saúde financeira. O Fluminense ainda busca um caminho desde a saída da Unimed, que bancava elenco repleto de estrelas. O Corinthians se vê às voltas com inúmeras cobranças judiciais — principalmente as ligadas à Arena. Já o Vasco se afundou numa espiral de dívidas e de brigas políticas da qual não consegue escapar.

Cada um a seu modo, Flamengo e Palmeiras se tornaram as principais forças econômicas do país. Os rubro-negros, pelo trabalho de reorganização iniciado na gestão Bandeira de Mello. Os alviverdes, a partir da presidência de Paulo Nobre e da ascensão de Leila Pereira, da Crefisa, na política do clube. Embora não tenha o mesmo capital que os dois, o Grêmio colhe os frutos da política de austeridade posta em prática ainda na metade da década passada.

— O futebol como um todo vive uma era de reordenamento de forças. Isso tem a ver com vários aspectos. Fundamentalmente, a globalização, que concentrou riquezas num grupo de clubes e alija outros. O Brasil não ia ficar alheio — analisa Carlos Eduardo Mansur, colunista do GLOBO e comentarista do Sportv, que vê as crises de Corinthians, Fluminense, Vasco e também Cruzeiro ligadas à demora em mudar de postura ante a nova realidade do mercado:

— Alguns demoraram a se atentar para este processo, a se organizar enquanto gestão e buscar dinheiro novo. E há aqueles que, como ostentavam a marca de clubes grandes, se viram obrigados a continuar agindo como se estivessem no topo. Fabricaram dívidas astronômicas e, agora, as contas estão chegando.

Base se beneficia

O ranking ainda possui uma aplicação pouco lembrada. É através dele que são definidos os participantes do Brasileiro sub-20 e sub-17. Entrar no grupo dos 20 primeiros representa colocar sua base para competir entre as principais do país.

— É a melhor oportunidade de avaliar a qualidade de nossa base, tanto dos atletas quanto dos profissionais. Porque agora estamos incluídos no mais alto nível de competição de base do Brasil — diz Marcelo Paz, presidente do Fortaleza, que este ano subiu cinco posições e passou para 18º. —Isso faz com que nosso trabalho de captação e avaliação seja mais assertivo por estar disputando com outras bases que já têm um nível mais avançado de competitividade.

Fonte: O Globo Online

Leia mais sobreCBFCopa do Brasil
5 comentários
  • Márcio da Silva Pacheco - 18 de março de 2021

    Olha isso é o fim o clube como Vasco ficar em 16 realmente não tem o quê dizer. Ficou triste pelos meus meninos que praticamente obriguei a ser vascaíno.

    Responder
  • Márcio Mendes Pacheco - 18 de março de 2021

    Presidente, diretoria e elenco medíocre, que não ganha nada, tem que se fuder mesmo.

    Responder
  • Francisco+silva+sampaio - 18 de março de 2021

    Esse ranking da cbf e no minimo maluco qual colocacao e a do bota fogo para ter direito ao dobro do dinheiro pelo que eu sei o bota fogo todo ano briga pra nao cair

    Responder
  • Tó Zé - 18 de março de 2021

    Isso é discriminação, preconceito, nesses 15 que estão a frente, quem tem uma história como o Vasco tem, quem tem uma marca reconhecida no mundo como o Vasco tem,a lamentar que a atual situação é penalizdora , a CBF deveria premiar igual os que forem conquistando etapas,se é para discriminar, não deveriam chamar copa do Brasil e sim copa dos 15 primeiros classificados, são essas atitudes que envergonham o futebol brasileiro,se a competição envolve clubes de todas as divisões,o tratamento tem que ser igual para todos ou não são todos brasileiros.

    Responder
    • Ailton - 18 de março de 2021

      Times medíocres, premiações medíocres, ninguém vive de história e sim de conquistas, um time que está atrás até do Botafogo tem que se ferrar mesmo

Deixe sua opinião

Últimas notícias
14 de maio de 2021
Ataque do Vasco terá ‘teste de fogo’ contra eficiente defesa do Botafogo

O forte ataque do Vasco da Gama terá pela frente a melhor defesa do Estadual, que pertence ao Botafogo, na decisão da Taça Rio.

Rival: Marco Antônio projeta clássico e elogia elenco do Vasco

Marco Antônio, do Botafogo, projetou o duelo contra o Vasco da Gama e elogiou o elenco cruzmaltino comandado por Marcelo Cabo.

Leilão é finalizado e Cano e destaca: ‘Muito Feliz por ajudar quem precisa’

O leilão do atacante do Vasco da Gama, Germán Cano, arrecadou mais de R$ 13 mil, valor que será revertido em cestas básicas para o Tuiuti.

Vasco terá que pagar multa diária caso não reintegre os 186 funcionários demitidos

Conforme determinação do juiz Robert de Assunção Aguiar, o Vasco da Gama terá que pagar multa diária caso não reintegre os 156 funcionários.

Sub-20: Vasco encara o Boavista na estreia da Taça Guanabara

O Vasco da Gama enfrenta o Boavista na manhã desta terça-feira, às 10h, no CT Artsul, pela primeira rodada da Taça Guanabara.

Provável escalação do Vasco contra o Botafogo

Confira a escalação do Vasco da Gama para o clássico contra o Botafogo, válido pelo jogo de ida da decisão da Taça Rio.

Ernando deve ser titular contra o Botafogo

O zagueiro do Vasco da Gama, Ernando, deve ganhar a vaga do jovem Miranda no primeiro jogo da decisão da Taça Rio.

Vitor Roma exalta torcida ao falar sobre transmissão de jogos do Vasco na Globo

Vitor Roma falou sobre a decisão da Rede Globo de transmitir os jogos do Vasco da Gama em horários da Série A.

Com 5kg a mais de massa e 8% a menos de gordura, Galarza mostra evolução física

Visivelmente mais forte do que quando chegou ao Vasco da Gama, há 11 meses, Matías Galarza destaca-se fisicamente e é elogiado por isso.

Sub-20: Vasco enfrenta o Internacional nesta sexta-feira; confira detalhes

Com transmissão do SporTV, o Vasco da Gama Sub-20 entra em campo nesta sexta-feira diante do Internacional.

Veja mais notícias