Ribamar? Yago Pikachu? As insistências inexplicáveis no Vasco

O técnico Ricardo Sá Pinto insistiu em opções que não estão bem, o que, junto com outros fatores, causou a eliminação do Vasco da Gama.

Avatar
Por Willams Meneses
-  4 de dezembro de 2020 às 11:48-  Atualizada em 4 de dezembro de 2020 às 11:49
Ribamar durante o jogo contra o Ceará (Foto: Daniel Castelo Branco)

O Vasco da Gama é um constante motivo de decepções para seus torcedores nos últimos anos. Não briga por títulos, corre risco de rebaixamento, e até cai às vezes. É triste mais é a verdade. O que se viu na última quinta-feira (03) foi mais uma amostra de tudo isso.

Mesmo jogando em São Januário, com a vantagem do empate em 0 a 0 para avançar, o Vasco deixou a vaga nas quartas de final da Sul-Americana para trás. Com diversas chances desperdiçadas, o Gigante perdeu para o Defensa y Justicia por 1×0, gol que saiu em erro bisonho da defesa.

Sobre a eliminação, pode-se destacar alguns pontos. Entre eles, os casos de Ribamar e Yago Pikachu. Substituindo Germán Cano, que está com Covid-19, o atacante cansou de perder gols durante a partida, com direito a uma furada na bola, e nem assim foi sacado pelo técnico Ricardo Sá Pinto.

Por qual motivo? Com Tiago Reis que, embora não participe muito do jogo, é muito mais preciso no quesito finalização, o português optou por Ribamar, e o manteve em campo mesmo com a atuação tenebrosa. Outro caso foi a volta de Yago Pikachu à lateral-direita, assim colocando Léo Matos no banco de reservas.

Embora não tenha jogada bem na goleada para o Ceará, Léo Matos ainda está em melhor momento que Yago Pikachu, inclusive, sendo o autor da assistência para o gol de Germán Cano no jogo de ida. De volta ao time, o Camisa 22 fez mais uma atuação fraquíssima e manteve o seu já marcado semblante de apatia.