Proposta para clubes administrarem o Maracanã prevê 70 jogos por temporada

Exigência estabelecida pelo Governo do Rio de Janeiro tem como objetivo garantir uma receita que pague, pelo menos, as despesas do estádio.

Torcida do Vasco no Maracanã
Torcida do Vasco no Maracanã

A exigência do governo do Rio de que o futuro gestor do Maracanã assegure pelo menos 70 jogos por ano no estádio passa por um componente econômico. Pelas contas da Secretaria da Casa Civil, ocupar a agenda do Maracanã com esse número de partidas já assegura uma arrecadação capaz de cobrir ao menos metade dos custos do estádio. A ideia é movimentar comercialmente o equipamento e propulsionar receitas para além do aluguel por partida.

O desejo registrado no edital de concessão, inclusive, dará nota mais alta para o candidato que trouxer essa previsão na proposta para administrar o Maracanã pelos próximos 20 anos, em um contrato que pode ser prorrogado para 25 anos. As regra da licitação já foram publicadas, mas os detalhes serão apresentados na quarta-feira (27), em uma audiência pública no Palácio Guanabara. O governo exige que a proposta da outorga fixa anual seja de pelo menos R$ 5 milhões por ano, além de um piso de 5% sobre receitas acessórias para o valor da outorga variável.

Considerando o calendário atual de férias e pré-temporada dos clubes, a concentração de jogos seria alta, já que os 70 jogos acabariam distribuídos em 10 meses. Quem administra o Maracanã atualmente — a empresa formada por Flamengo e Fluminense — entende que é uma exigência muito alta de partidas para o estádio.

O gramado do Maracanã costuma sofrer. Em agosto, quando sofreu uma intervenção para recuperação do campo, o Maracanã já tinha batido 45 partidas em 2021 — o calendário deste ano, ressalte-se, está bagunçado pela pandemia.

Exigir 70 jogos mexe com a dinâmica de participação dos clubes na proposta para concessão do estádio — e 54 dos 70 devem ser por competições da CBF e da Conmebol.

Em uma conta simples, um time faz 19 jogos como mandante no Brasileirão. Se for para a fase de grupos da Libertadores e chegar pelo menos às quartas de final — como fizeram Fluminense e Flamengo neste ano —, serão mais cinco partidas em casa para cada clube. Há Copa do Brasil, com uma campanha média de quatro jogos por cada clube em casa. E, claro, os estaduais.

Com dois concessionários, dá para atingir a meta de 70 jogos. Mas com um terceiro elemento, que seria o Vasco, o alvo fica mais factível — permitindo que algum dos clubes eventualmente venda seu mando para outro estádio do país (o Fla, por exemplo, gosta de ir a Brasília). A diretoria vascaína, inclusive, não esconde o desejo de fazer parte da próxima administração, formando um possível trio de gestores (em termos de clubes).

Segundo o edital, além das 70 partidas no Maracanã, o licitante deve mostrar que pode fazer no mínimo 12 eventos de modalidades olímpicas no Maracanãzinho.

Quem participar da licitação deve apresentar comprovação de experiência em gestão por pelo menos três anos de complexo esportivo com estádio de futebol cuja capacidade mínima seja 30 mil lugares e também com arena multiuso com pelo menos 5 mil assentos.

Fonte: UOL Esportes

Leia mais sobreMaracanã
1 comentário
  • Jota wilson - 22 de outubro de 2021

    Os clubes tem que tomar vergonha na cara ter mais coragem mandar esse Castro enfiar esse estádio no c….: e juntos fazer uma arena em uma região mais fácil de se locomover as pessoas ,local com área grande de espaço tipo são gonçalo ,itaborai e……,esses lugares tem torcedor de todos os times ,arruma uma empresa que faça perde um pouco o orgulho porque a disputa e so dentro de campo

    Responder
Deixe sua opinião

Últimas notícias
30 de novembro de 2021
Time da Virada recolherá assinaturas para a realização da AGE no Vasco

O Movimento Time da Virada estará na frente de São Januário neste sábado coletando assinaturas para a realização da AGE.

Edu reitera desejo de jogar no Vasco

Artilheiro da Série B do Campeonato Brasileiro 2021, o atacante Edu, do Brusque, reiterou o desejo de defender o Vasco da Gama.

Vasco disputa prêmio de melhor campanha de responsabilidade social

Por conta da camisa lançada em apoio ao movimento LGBTQIA+, o Vasco da Gama concorre ao prêmio de melhor campanha de responsabilidade social.

Péssima campanha no 2º turno ajuda a explicar fracasso do Vasco na Série B

Depois de um primeiro turno fraco, o Vasco da Gama fez um segundo turno ainda pior na Série B, influenciando no não acesso.

Confira números do Vasco na Série B 2021

Confira números do Vasco da Gama na Série B do Campeonato Brasileiro 2021, os quais não permitiram o acesso.

Movimentações do Vasco no mercado: veja quem chega, quem sai e quem fica no Clube

O Vasco da Gama reformulará o departamento de futebol para a temporada 2022 e já busca por reforços para o elenco.

Reportagem destaca que o Sócio Gigante tem plano destinado aos animais; assista

A reportagem mostrou que o Vasco da Gama, no programa Sócio Gigante, tem uma categoria especial para os bichos de estimação.

Vasco é multado por objetos jogados em São Januário no jogo contra o CSA

Por conta de objetos jogados em São Januário no jogo contra o CSA, o Vasco da Gama terá que pagar multa de R$ 5 mil.

Conheça a história do Dom Corvo I e Único, mascote do Vasco nas décadas de 40 e 50

O Vasco da Gama teve o Dom Corvo I e Único como símbolo de sorte nas décadas de 40 e 50, mas que perdeu força a partir de 60.

Alexandre Mattos afirma que acerto com outro clube freou conversas com o Vasco

O diretor executivo Alexandre Mattos disse que teve uma boa conversa com o presidente do Vasco da Gama, Jorge Salgado, mas não avançou.

Veja mais notícias