Funcionários do Vasco encerram greve após promessa de pagamento

Os funcionários do Vasco da Gama encerraram a greve após Campello prometer pagar uma folha salarial até o fim da semana.

O Vasco amanheceu hoje (12) com uma greve dos funcionários em função de atrasos salariais. Os portões de São Januário foram fechados por eles e a energia da sede foi desligada. Após reunião com o presidente cruzmaltino, Alexandre Campello, e a promessa de pagamento de uma folha, os trabalhadores encerraram os protestos. O clube deve três meses de salário de 2019 e mais 13º e férias de 2017.

Ontem (11) uma votação para aprovação de um empréstimo de R$ 20 milhões no Conselho Deliberativo foi cancelada por falta de quórum. O presidente vascaíno, Alexandre Campello, condicionava à esta quantia a solução para o pagamento dos débitos. Na semana passada os conselheiros já haviam aprovados R$ 10 milhões, mas o clube ainda não conseguiu obter as garantias necessárias para ter em mãos o valor junto ao banco.

Um dos alvos da reclamação dos funcionários é o presidente do Conselho Deliberativo, Roberto Monteiro, que é um dos líderes do grupo político Identidade Vasco, um dos mais faltosos na reunião de ontem. Julio Brant, líder do grupo Sempre Vasco, também foi lembrado.

Além dos funcionários, o Vasco deve dois meses de salário em carteira para jogadores. Somente este ano, três atletas saíram por intermédio da Justiça de Trabalho alegando falta de recolhimento de FGTS: Maxi Lopez, Thiago Galhardo e Bruno Silva.

Leia mais sobre: Futebol

Comentários

Últimas notícias

Veja mais notícias »