Fracasso do Vasco na Série B gera prejuízo de R$ 146 milhões para os próximos 3 anos

Passando por um conturbado momento financeiro, Vasco da Gama ainda terá um impacto negativo de R$ 146 milhões no seu orçamento.

Alexandre Pássaro, Fernando Diniz e Jorge Salgado
Alexandre Pássaro, Fernando Diniz e Jorge Salgado (Foto: Rafael Ribeiro/Vasco)

O fracasso do Vasco em subir para a Série A terá um impacto negativo de R$ 146 milhões nas receitas do clube nos próximos três anos. A estimativa é do próprio clube no plano para pagamento de dívidas civeis e trabalhistas apresentado à Justiça. Essa conta, obviamente, considera que o time conseguirá a promoção de volta à elite em 2022.

Com base na Lei da SAF, clube-empresa, o Vasco pediu à Justiça a adesão do Regime de Centralização de Execuções. Assim, o clube passará a ter descontado 20% de sua receita destinado a uma fila de credores. O acordo ainda precisa ser homologado.

Para convencer a Justiça, o Vasco tem de apresentar uma previsão de seu fluxo de caixa para os próximos três anos pelo menos. O plano é mais abrangente: as dívidas cíveis e trabalhistas têm de ser pagas no período de 10 anos.

Em sua projeção, o Vasco estimou que terá uma receita de R$ 187 milhões em 2022 ao ficar na Série B. Caso conseguisse a vaga na Série A, o clube projetava um ganho de R$ 265 milhões. Ou seja, pelas contas vascaínas, a campanha gerou um impacto negativo de R$ 78 milhões para a próxima temporada.

As maiores perdas em receitas são, obviamente, em cotas de televisão a premiação. Só nesses itens o faturamento sofreu um desconto de R$ 62 milhões. Há ainda perdas com marketing, sócio-torcedor e bilheteria.

Mas o impacto não se resume ao segundo ano na Série B. Pela projeção do Vasco, essa permanência na Segundona reduz a velocidade de aumento de receita prevista pelo clube. Considerando 2023 e 2024, o clube considera que terá outros R$ 68 milhões a menos em receita por ter um ano extra fora da elite. E isso somente se, de fato, conseguir a ascensão à Série A no próximo ano.

Apesar desse cenário, o Vasco ainda assim prevê o pagamento de um volume alto de dívidas nos próximos três anos. Pela projeção, o caixa do clube terá de destinar R$ 489 milhões para dívidas neste período. Isso não significa que a redução da dívida será neste montante.

Com a limitação de recursos disponíveis, o Vasco terá de manter suas despesas baixas. A previsão de despesa com folha de pagamento é de R$ 60 milhões. Ou seja, é um patamar similar ao que o clube teve no final deste ano. No documento à Justiça, o clube relata que sua folha é de R$ 5 milhões por mês. Pelo papel, o Vasco não terá dinheiro extra para subir em 2022: terá de aplicar com mais eficiência.

Se consideramos o quadro de 2021, o Vasco ainda assim estima um crescimento de receita para o próximo ano. Para efeito de comparação, o Vasco somou R$ 132 milhões em receitas até o final de setembro, terceiro trimestre do ano. E lembremos que recebeu parte da receita de TV da Série A de 2020 por causa da extensão da temporada.

Para atingir o objetivo, o clube terá de manter o engajamento da torcida —há previsão de R$ 25 milhões em bilheteria— e vender jogadores no mesmo patamar da atual temporada. E, principalmente, tem de estar na Série A em 2023.

Fonte: Coluna do Rodrigo Mattos

Leia mais sobreSérie B
3 comentários
  • Davecruzmaltino - 13 de novembro de 2021

    Ainfa querendo se vangloriar de reduzir dividas ! É igual cobertor curto !

    Responder
  • Valdimar Augusto de Medeiros - 12 de novembro de 2021

    Com certeza os torcedores ajudarão nessa empleitada indo aos jogos, porém não sejam crianças novamente em dizer que vai subir em 2022, tenham respeitos pelos demais times da série B, vai ter cruzeiro, sport, Grêmio, Chapecó e outros clubes ORGANIZADOS.

    Responder
  • LUCAS RONDINELLE GUEDES FERREIRA - 12 de novembro de 2021

    Que nada !! 148milhões roubados somente. Pq eles n investem no futebol

    Responder
Deixe sua opinião

Últimas notícias
24 de janeiro de 2022
Vasco estreia novo programa na Vasco TV nesta segunda-feira

Nesta segunda-feira, a Vasco TV terá a estreia do programa Vascaínos e Vascaínas, no Estúdio Abelardo Chacrinha Barbosa.

Dos campos para as areias: Dani Rodrigues comenta mudança de modalidade no Vasco

Reforço do Vasco da Gama no beach soccer, a fixa Dani Rodrigues já atuou pelo Cruzmaltino no futebol de campo.

Vasco é o 4º com mais sócios no ranking dos clubes nacionais

Após desassociarão, o Vasco da Gama está na quarta colocação no ranking de clubes com mais sócios no Brasil.

Vasco TV terá novo estúdio e outras novidades, anuncia Vanessa Riche

Apresentadora da Vasco TV, a jornalista Vanessa Riche publicou um vídeo onde anuncia novidades na plataforma oficial do Vasco da Gama.

Jorginho aprova estratégia do Vasco de ter jogadores com experiência na Série B

Ex-jogador e treinador do Vasco da Gama, Jorginho avaliou a montagem do elenco do Cruzmaltino para a disputa da Série B.

Carlos Brazil projeta ano do Vasco e vê Estaduais como opção para reforçar a equipe

Gerente de Futebol do Vasco da Gama, Carlos Brazil projetou a temporada e garantiu que o Clube estará atento aos Estaduais para se reforçar.

Zé Ricardo comanda o Vasco pela 2ª vez no Campeonato Carioca

Técnico do Vasco da Gama, Zé Ricardo vai treinar o Clube de São Januário no Campeonato Estadual do Rio pela segunda vez na carreira.

Vasco mantém 10% dos direitos econômicos de Caio Lopes

Volante formado no Vasco da Gama, Caio Lopes não chegou a um acordo com o Clube e vai jogar no Leganés, da segunda divisão da Espanha.

Vasco estreia no Carioca com time bem diferente do que terminou a Série B em 2021

Vasco da Gama faz sua primeira partida pela competição nesta quarta-feira (26), com um time cheio de novidades.

23 de janeiro de 2022
Caio Lopes deve acertar com o Leganés, da 2ª divisão da Espanha

Cria da base do Vasco da Gama, meia Caio Lopes deve acertar sua transferência para o Leganés, da segunda divisão da Espanha.

Veja mais notícias