Castan encerra ciclo em São Januário em clima de vaias e hostilidade

Leandro Castan foi muito criticado pela torcida do Vasco da Gama no jogo contra o Remo e pode encerrar sua passagem pelo Clube.

Leandro Castan em jogo contra o Remo
Leandro Castan em jogo contra o Remo (Foto: André Durão)

Vaias aos gols do Vasco, gritos de “time sem vergonha” antes, durante e depois do empate com o Remo (2 a 2), além de pedidos de cartão vermelho para jogadores da própria equipe. O clima azedo sobressaiu e ressignificou o apelido do Caldeirão de São Januário. Os mais de mil vascaínos presentes ao estádio estiveram lá para queimar quase que a totalidade do elenco que fracassou na tentativa de recolocar o clube na elite, e a figura central da “fogueira vascaína” foi Leandro Castan, perseguido do primeiro ao último minuto de jogo. O dia 19 de novembro de 2021 teve cara de capítulo final de uma intensa relação entre o zagueiro e a Cruz de Malta. Pelo menos na Colina Histórica.

Mesmo com contrato válido até o fim de 2022, Castan, de 35 anos, não tem mais clima para seguir no Vasco. Antes atacado nas redes sociais, o zagueiro não teve trégua durante os mais de 90 minutos que ficou em campo contra o Remo. Para se ter uma noção, foi xingado em alto e bom som durante a execução do Hino Nacional Brasileiro, momentos depois de o time ser chamado de “sem vergonha” pela primeira vez.

Vaiado a cada toque na bola, o camisa 5 ouviu os gritos de “ei, Castan, vai tomar no c…” inúmeras vezes no primeiro tempo. Aos 34 minutos, o tom subiu ao escorregar diante de Erick Flores, e o Remo quase abrir 2 a 0 – não o fez porque Neto Pessoa furou feio. O erro grosseiro trouxe novas ofensas e a manifestação: “o nosso Vasco não precisa de você”.

Para completar, ainda no primeiro tempo, foi provocado com o grito: “Castan, sai do Instagram”. Muitos torcedores o ironizam por ser atuante na citada rede social. Na volta do intervalo, mais ataques: o chamaram de “ateu” num claro deboche à fé do jogador, que é religioso.

Castan não teve paz durante o jogo inteiro. Nenhum toque na bola foi perdoado, e furadas em que não conseguiu alcançá-la também renderam manifestações raivosas. Agora, justiça seja feita: apesar do ambiente pesado contra si e de não ter jogado bem, o capitão deu opção de passe o tempo inteiro, até mesmo no campo de ataque. Não se omitiu e tentou alguns cruzamentos da ponta esquerda na busca pela virada.

O fim da relação parece saudável para as duas partes. São 144 jogos com a Cruz de Malta em mais de três temporadas – o primeiro deles em 12 de agosto de 2018, contra o Palmeiras. Leandro Castan foi importantíssimo em seus dois primeiros anos de São Januário, tanto com boas atuações como na questão da postura, de botar a cara para bater nos momentos duros. De 2020 em diante, porém, o nível de atuações do Vasco e de Castan se confundiram. Ambos caíram muito.

Outrora exaltado como o melhor zagueiro do Brasil em famosa rima com um palavrão, Leandro Castan teve que ouvir, também em meio a palavrões, de que o Vasco não precisa mais dele. Talvez ele também não precise passar mais por isso. Aguardemos os próximos capítulos de um filme que se aproxima de um final nada feliz.

Xingamentos desde o aquecimento

Como se sabe, Castan é capítulo à parte de uma tarde ácida em São Januário. Mas não só o capitão foi alvo da ira da torcida. Quando os goleiros Lucão, Vanderlei e Halls subiram ao gramado para o aquecimento, às 18h22, começaram os xingamentos. Somente o último foi poupado.

Às 18h31, os jogadores de linha pintaram no campo, e a maioria foi ofendida. Nenê, Cano e Riquelme escaparam. O trio, aliás, foi aplaudido na maioria das jogadas tentadas. E é preciso ressaltar: os três foram mal. O camisa 77 errou em tomadas de decisão importantes, o argentino perdeu chances que não costuma desperdiçar, e o lateral falhou feio no primeiro gol.

Morato é o segundo maior alvo, e torcida se enche de ironias

Para terminar de ilustrar o cenário de protesto constante em São Januário, impossível não citar as inúmeras ironias dos vascaínos. Depois de chamar o time de “sem vergonha” durante o Hino Nacional e na corrente da equipe minutos antes de a bola rolar, endereçou cantos debochados a alguns dos jogadores.

Morato, de longe o maior alvo depois de Castan, teve de ouvir “Sai do Vasco, Morato sai do Vasco” em ritmo da tradicional “Dá-lhe, Vasco”. O público também pegou no pé de Léo Matos, xingado mesmo após marcar o primeiro gol vascaíno, e Romulo.

O “uh, tá maneiro” que precede “German Cano é artilheiro” em música alusiva ao centroavante rendeu dois deboches. Um a MT e outro ao próprio argentino.

O meia foi chamado de “cachaceiro”, enquanto Cano, de “pipoqueiro”. Se os ataques ao prata da casa tiveram adesão de quase toda a torcida, a provocação ao gringo logo foi abafada por vaias da maioria. Ouviu-se também o curioso “ei, Pec, vai fazer o ENEM” numa ironia à juventude do meia-atacante.

O último encontro entre Vasco e torcida no Caldeirão em 2021 foi melancólico e estranho. Os gols foram vaiados, cartões mostrados aos vascaínos receberam aplausos e houve até pedidos de cartões vermelhos para os próprios jogadores, o mais direto deles com o grito de “ã, ã, ã, expulsa o Castan”.

O vascaíno não expulsou a frustração e nem a vergonha do peito, mas botou para fora tudo o que sentiu na pele dentro do ano mais vergonhoso da história do Club de Regatas Vasco da Gama.

Fonte: Globo Esporte

5 comentários
  • Jorge da Silva - 21 de novembro de 2021

    Torcida vascaína desconta nos jogadores que não são bons mas não tem culpa de serem ruins. A culpa é de quem os contratou e os manteve, apesar dos maus resultados. Com os maiores salários da serie B. E não admitem erro. Dizem que estão no caminho certo. Deve ser caminho da serie C. Diretoria sem credibilidade que assumiu em eleição duvidosa via liminar judicial.

    Responder
  • Mario Thomaz Pires - 20 de novembro de 2021

    Temos que mais rápido possível tirar esses amadores do Vasco salgado pega sua turma do Vasco e somem deixa quem tem projeto assumir vcs não tem nada pra oferecer pra nós torcedores estão manchando a nossa história volta para sua empresa nós não queremos vcs aí acabando com nosso Vasco😡😡😡😡😡😡

    Responder
  • Mario Thomaz Pires - 20 de novembro de 2021

    Estamos a muito tempo não não de pessoas despreparada sem nenhuma capacidade de restruturação o clube quando essa diretoria entrou de forma errada só podia dar nisso o mais do mesmo vamos ter que aguentar dois anos disso aí tem gente que defende só que nossa paciência já foi pra lá do limite queremos nova eleição e vença quem tem projeto e disposição para trabalhar dia e noite para resgatar o Vasco de novo e voltar a dar alegria a sua torcida e sermos temidos de novo com esses caras eu não acredito salgado pega oque e seu vai embora do Vasco com esses aí que te apoiam fora blant toda essa corja canalhas😡😡😡😡😡

    Responder
  • Jota wilson - 20 de novembro de 2021

    Com toda tristeza que estamos a mais de 10 anos com toda destruição do nosso vasco e so precisar que a torcida chega juntos ,esses monte de dirigentes que estão la brigando pra ficar de frente são todos urubus querendo a carniça ,e os jogadores ganham pra jogar bem mas nada joga mas não porque quer ser ruim ,sim são fracos mesmos ,tem que sair todos mas principalmente mudar tudo de dentro pra fora porque se continuar assim vai acabar o nosso clube

    Responder
  • Jorge Novaes - 20 de novembro de 2021

    Tudo por causa de uma política podre, de aproveitadores canalhas e principalmente de um presidente não reconhecido pelos sócios. Só uma nova eleição imediata para amenizar a nossa tristeza.

    Responder
Deixe sua opinião

Últimas notícias
20 de janeiro de 2022
Com ‘mãozinha’ de Casimiro, gol de Figueiredo é eleito o mais bonito da Copinha

Influencer e vascaíno, Casimiro ajuda e golaço de Figueiredo contra o São Paulo é eleito o mais bonito da Copa São Paulo.

SAF do Vasco ganha força em meio a turbilhão político

Futebol do Vasco da Gama tem sido alvo de investidores internacionais enquanto bastidores políticos do Clube seguem agitados.

Grupo americano interessado no Vasco já comprou direitos do Brasileiro no exterior

O Fundo 777 Partners, que manifestou interesse em investir no Vasco da Gama, já comprou os direitos internacionais do Brasileiro.

Vasco vê Eric Pimentel e Zé Vitor como opções caseiras para compor o elenco

Sem contratações de impacto para a defesa, Vasco da Gama enxerga em Eric Pimentel e Zé Vitor uma boa dupla para compor o plantel em 2022.

Grupo russo liderado pelo bilionário Roman Abramovich estaria interessado no Vasco

Esse e outro grupo, um árabe, estariam desejando comprar o Vasco por cerca de R$ 1 bilhão de dólares; Abramovich é dono do Chelsea-ING.

19 de janeiro de 2022
Vasco faz amistoso contra o Audax-RJ nesta quinta-feira no CT Moacyr Barbosa

Jogo-treino é o segundo do Vasco da Gama na preparação para o Campeonato Carioca; Audax também será adversário durante o Estadual.

Vasco deve gastar quase R$ 45 milhões com o futebol em 2022

Desse total, são R$ 37,3 milhões destinados ao elenco do Vasco da Gama, e o restante para comissão técnica e funcionários administrativos.

Há 20 anos, camisa 11 era aposentada pelo Vasco em homenagem a Romário

Decisão de homenagear Romário aconteceu em 19 de janeiro de 2002 e partiu do então presidente do Vasco da Gama, Eurico Miranda.

Contratos de Conceição, Yuri Lara e Bruno Nazário são registrados no BID da CBF

Com isso, os 3 atletas, que devem ser titulares ao longo da temporada, já estão oficialmente aptos a atuar pelo Vasco da Gama.

Vasco realizará nesta sexta debate sobre a possível implantação da SAF no Clube

Debate terá início às 10h30min e contará com a presença do 2º VP Geral do Vasco da Gama, Duque Estrada, e do VP Jurídico, Zeca Bulhões.

Veja mais notícias