Carlos Leão refaz planejamento do Vasco para evitar acúmulo de dívidas

O vice-presidente de finanças do Vasco, Carlos Leão, afirmou que a diretoria está trabalhando para evitar o acúmulo de dívidas.

A situação do Vasco em 2020 não deve ser muito diferente de 2019. Com a economia estagnada durante a pandemia de coronavírus, os dirigentes estão trabalhando para refazer o planejamento do clube. Porém, o presidente Alexandre Campello tenta lidar com a falta de receitas para pagar as contas. Nesse ínterim, o mandatário vê aumentar a dívida com jogadores, funcionários, colaboradores e fornecedores. Afinal, a arrecadação caiu drasticamente com a paralisação do futebol brasileiro por causa da Covid-19.

Clubes como Flamengo e Palmeiras, que tem situação financeira melhor que os demais times brasileiros, devem sobreviver à crise. Por outro lado, algumas instituições, entre elas o Vasco, podem ter um colapso financeiro se a suspensão for prolongada. A Confederação Brasileira de Futebol (CBF), antes de mais nada, não descarta a possibilidade de estender a paralisação por mais de três meses. O vice-presidente de finanças do Vasco, Carlos Leão, garantiu esforços diários para reequilibrar o clube.

“Impossível qualquer pessoa física ou jurídica passar incólume a uma crise mundial dessa proporção. Ninguém tem uma noção clara do que acontecerá nos próximos dias, mas temos que ser criativos, identificar logo as possibilidades e agir rapidamente para defender as finanças do clube no que for possível”, revelou o dirigente.

Carlos Leão garantiu também que a diretoria está trabalhando para encontrar soluções imediatas a fim de evitar o acumulo de contas. Uma demonstração desse esforço foi o pagamento da segunda parcela do 13º salário, que estava pendente.

“Ninguém está parado, todos estão tentando mitigar seus riscos e perdas, e com o Vasco da Gama não é diferente, estamos trabalhando nesse sentido também. É uma dificuldade que não estava prevista, mas o nosso clube passará por mais essa crise, continuará vivo e gigante, portanto, o trabalho forte e diário não pode parar”, disse o vice de finanças.

A princípio, o Vasco vai evitar grandes contratações para esta temporada. Isso porque, o clube seguirá funcionando no limite financeiro. Com isso, a diretoria vai buscar jogadores sem muito custo como nos casos de Fredy Guarín, Germán Cano e Martín Benítez. Carlos Leão lembra que Alexandre Campello está tentando equilibrar as contas para evitar que o clube passe sufoco na sequência da temporada.

“A folha do futebol está abaixo dos R$ 4 milhões, atualmente. Entendo que o pensamento do presidente Alexandre Campello é encontrar o ponto de equilíbrio entre a austeridade necessária e o risco esportivo. Vou ajudá-lo nesse trabalho. O futebol é o carro-chefe e gerador principal de receitas do clube, não há como prescindir de investimentos nesse departamento extremamente sensível para a gestão. Não investir no futebol pode sair muito mais caro, considerando que os resultados esportivos impactam fortemente nas nossas receitas”, explicou.

Na última semana, Alexandre Campello pagou o salário de dezembro com a premiação de R$ 2,8 milhões da Copa do Brasil. Por outro lado, o clube ainda deve a segunda parcela do 13º, férias e salários de janeiro aos jogadores. Carlos Leão reconheceu que o maior desafio da sua gestão será colocar os vencimentos em dia.

“Sem dúvida o maior desafio e a prioridade é quitarmos os atrasados e mantermos em dia os salários de todos os colaboradores do Vasco da Gama. Eu frequento muito São Januário, conheço pessoalmente muitos funcionários, temos profissionais muito valorosos que trabalham diariamente no clube com uma dedicação extrema, apesar das grandes dificuldades. Precisamos ter empatia com essas pessoas, entender as dificuldades e focar prioritariamente em resolver o problema dos atrasos das remunerações”, finalizou.

Carlos Leão quer melhorar a situação financeira do Vasco

Vasco aguarda posição da TV Globo

O Vasco aguarda uma posição da TV Globo, detentora dos direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro, para saber como será feito o repasse. Afinal, o clube recebeu já somou R$ 20,8 milhões entre cotas e premiações da emissora. O valor contempla a participação no Campeonato Carioca (R$ 18 milhões) e Copa do Brasil (R$ 2,8 milhões). O Torcedores.com apurou que o pagamento dos direitos do Brasileiro é feito em quatro parcelas. O primeiro depósito foi feito no começo de janeiro. Porém, o segundo pagamento vence no início de abril, o terceiro em agosto, e o quarto em novembro.

Leia mais sobre: Futebol

Comentários

Últimas notícias

Veja mais notícias »