André Mazzuco fala sobre atraso salarial e lesões de Talles, Breno e Ramon

O diretor de futebol André Mazzuco falou sobre os salários atrasados, lesão de Talles Magno e recuperação de Breno e Ramon.

André Mazzuco, diretor executivo de futebol do Vasco, concedeu entrevista coletiva, nesta quarta-feira, no CT do Almirante. Dentre os principais assuntos abordados, o dirigente confirmou o acerto com o meia argentino Benítez, do Independiente, e o atraso salarial de jogadores e funcionários. E revelou que uma ideia será colocada em prática: o elenco, em forma de protesto, decidiu não mais conceder entrevistas.

Foi o primeiro treino aberto à imprensa desde a reunião dos atletas com a diretoria, na sexta-feira passada, revelada pelo GloboEsporte.com. Na ocasião, o elenco cobrou a falta de remuneração e avisou que estudava não falar com a imprensa até que a situação fosse regularizada. O dirigente confirmou a informação e disse que a decisão está em vigor.

- Foi conversado, sim. Os atletas decidiram, como uma ação, neste momento, não falar com a imprensa, não dar entrevistas. É um direito deles. Obviamente, nada contra a imprensa. É uma ação decidida por eles. Respeitamos e conversamos com eles a respeito. As conversas acontecem, e cabe ao clube buscar soluções. Mais uma vez: essa ação deles não significa menos ou mais trabalho. O trabalho está sendo feito e não temos nada a falar. O dia a dia é profissional com atletas e comissão técnica. É por isso, aliás, que, mesmo com a dificuldade, estamos nos desenvolvendo - disse Mazzuco.

Pelo acordado, não haverá entrevistas após os treinos no CT e nos jogos do Vasco. O técnico Abel Braga, porém, continuará com a rotina de falar com os jornalistas. A decisão do elenco começou a ser pensada na quinta, quando do retorno ao Rio após a classificação na Bolívia para a segunda fase da Sul-Americana. No desembarque no Santos Dumont, apenas Mazzuco deu entrevista.

O dirigente disse ainda, nesta quarta-feira, que todos no clube estão incomodados com a situação e que a diretoria busca soluções. Porém, evitou dar prazo para a solução do problema:

- Não daremos prazo sem termos certeza. Já aconteceram outras vezes no próprio Vasco de ter uma verba para entrar e ser penhorada. Então, é complicado.

O atraso salarial no Vasco

Jogadores: dezembro, janeiro, 13º (segunda parcela) e férias (CLT) e cinco meses de direitos de imagem.

Funcionários: dezembro (quem recebe acima de R$ 1,8 mil), janeiro, 13º e férias (CLT)

Mazzuco confirma Benítez

O dirigente também confirmou a contratação do argentino Martín Benítez. O meia-atacante do Independiente, de 25 anos, desembarca nesta quinta-feira no Rio de Janeiro para assinar contrato até dezembro.

- Já vínhamos conversando sobre o Martín Benítez há um tempo. Ainda estava aguardando o desfecho. Entre o clube e o atleta estava tudo bem, mas ainda faltavam algumas situações em relação ao Independiente. Nós devemos concluir isso. O atleta chega ao Brasil amanhã após o almoço para terminarmos os trâmites necessários. É uma questão de mera formalidade. A gente procura anunciar quando tudo está assinado, mas o atleta se apresenta aqui para iniciar os exames e fazer os trâmites burocráticos no Rio de Janeiro - afirmou Mazzuco.

Questionado sobre como a contratação repercutiria no elenco, o diretor negou que o Vasco tenha feito investimento mesmo devendo salários.

- O Benítez é um atleta que quis muito vir para o Vasco. Esse é o mérito do Vasco. O torcedor tem de se orgulhar disso: as pessoas entendem o tamanho do clube. Ele abriu mão de coisas no Independiente para poder vir para cá. Isso nos dá a boa expectativa para ele vir aqui e nos ajudar. Então, é preciso cuidado com as informações que circulam. É empréstimo no qual o atleta colaborou para estar aqui.

Mais respostas de Mazzuco

Atraso salarial

É um tema importante. Questão de otimismo, sempre tem. O Vasco é um clube gigante e, se não houvesse expectativa, muitos de nós não estaríamos mais aqui. É um fato. Mas temos problemas financeiros. Tivemos uma reunião com os atletas, sempre sendo transparentes ao máximo. Sempre reforço o grupo, destaco a dedicação dos atletas. Graças à superação do grupo o Vasco tem superado as adversidades. Não há o que falar dos atletas. Eles estão no direito deles. Obviamente, tudo é conversado. Eles estão incomodados, assim como nós estamos incomodados na resolução das pendências. O clube está buscando soluções, de alguma forma. Precisamos acelerar e dar uma resposta a eles. É um momento delicado. Ao mesmo tempo, as coisas estão acontecendo em paralelo. O presidente e seus pares estão empenhados em achar uma solução. Ressalto que os atletas não trabalham menos por conta desse problema. É um grupo dedicado e que se doa diariamente.

Nosso grupo é mesclado, com jovens e experientes. Estamos tentando blindar todos para passar por esse período de transição. Se conseguirmos extrair o melhor desses meninos da base, o Vasco ganha. São jovens que podem virar ativos. É uma oportunidade a eles também, mas, claro, não jogamos a responsabilidade em cima deles. Vamos buscar solução, afinal, é o Vasco. Se estamos à frente do clube, temos essa missão. Temos perspectivas futuras e esperamos que se resolva.

Como Abel tem lidado com os atrasos?

É o líder da equipe, nosso treinador. Naturalmente, está incomodado. Atinge a todos, né. Ele tem cobrado uma solução, é o papel dele. Cobrança não é uma conotação negativa. Somos uma equipe de trabalho, enfrentamos os problemas, mas também temos bons momentos. Todos estão querendo a solução e todos se posicionam. E o Abel não é diferente. A grande verdade é que quanto menos problemas fora de campo mais tranquilidade teremos dentro de campo. O futebol brasileiro passa por uma crise, então, não é só o Vasco.

Treinos e concentração não correm riscos?

A única ação combinada foi de não conceder entrevistas até que se resolva parcialmente o problema. Não é uma solução inteira, afinal, a pendência é grande. Não vou dizer que foi condição, afinal, seria injusto. É uma situação que os atletas querem que se contemple todos: eles e a equipe de trabalho. Eles exigem que a situação seja resolvida também para os funcionários.

Lesão de Talles

Foi uma fatalidade, como foi explicado. A lesão que ele teve tem como padrão clínico três meses de recuperação. Cada jogador tem as suas características, então, o tempo pode aumentar ou diminuir. Não é uma lesão simples, então, teremos todo o cuidado possível.

Cogitam contratar para suprir a ausência dele?

Talles não é uma reposição simples. Hoje é dos principais jogadores nossos. A vinda do Benítez, pela versatilidade, afinal, ele já atuou pelo meio e pela ponta, ajuda. Isso foi uma das razões que fez a gente optar por ele. Ele vem de boas temporadas, mas talvez não esteja no seu melhor momento. Então, uma saída dele do Independiente, o clube que sempre defendeu, pode trazer algo interessante. Vamos acelerar o processo para ele estar à disposição.

Temos limitação orçamentária, então, precisamos avaliar se as soluções estão no elenco e temos de desenvolver os meninos.

Oroz interessa?

Não tem nada. Foi monitorado desde o ano passado. É jovem, de bom potencial. É um meia canhoto, valorizado no seu clube. Vale monitorar.

Recuperação de Breno e Ramon

Ele retornou essa semana aos trabalhos em campo. Está evoluindo. Ramon, da mesma forma. Os menos culpados são eles, as lesões foram muito graves. Se dedicam e tentam voltar. Em outra circunstância, poderiam ter desistido. Têm importância no grupo e buscam recuperar o espaço. O processo longo. Cabe ao clube dar o suporte e entender que vai chegar o momento de eles estarem à disposição ou uma outra situação que todo mundo tomará uma decisão em conjunto.

Leia mais sobre: Futebol

Comentários

Últimas notícias

Veja mais notícias »