Alan Kardec fala sobre campanha do Vasco no Brasileiro e dá dica

O atacante Alan Kardec, hoje no Chongqing Lifan, falou sobre a campanha do Vasco da Gama no Campeonato Brasileiro.

Alan Kardec aprendeu com Jorge Jesus. O atacante de 30 anos, hoje no Chongqing Lifan, da China, foi comandado pelo técnico do Flamengo no Benfica e admite que amadureceu muito com os conselhos do Mister.

"Eu peguei o Jorge Jesus em um momento da minha carreira que eu era jovem, estava com 20 para 21 anos, se não me engano, e trabalhei com ele durante três anos. Então, muito além do que ele me ensinou, eu também observava muito o que ele explicava para os outros atletas", disse o jogador, em entrevista ao "Estádio 97", da Rádio Energia 97.

"Sei que todos os momentos que trabalhei com ele foram importantes para a minha carreira porque eu pude evoluir trabalhando com ele. É uma pessoa diferenciada na questão tática e na questão técnica. Ele consegue fazer sua equipe jogar."

Kardec esteve ligado ao Benfica entre 2010 e 2014, mas chegou a ser emprestado para Santos e Palmeiras neste período. "Acabei jogando um pouco mais recuado, que eu jogava um pouco do lado... Acho que isso foi muito daquele feeling, de você perceber que ele está ensinando, que está cobrando. Ele teve essa linha de cobrança bem alta, igual ele faz à beira do campo, ele começa a gritar igual louco ali."

O atacante, que também passou pelo São Paulo entre 2014 e 2016, brincou com as puxadas de orelha que recebia do português, as mesmas dadas hoje aos jogadores rubro-negros. "Recebia [broncas de Jorge Jesus], demais. Acho que eu era um dos preferidos dele. O perfil dele é esse mesmo."

Sem poupar

Kardec lembrou que Jesus já adotava a mesma postura de sempre apostar na força máxima do time na época do Benfica, como faz hoje no Flamengo.

"Classifico mais pelas competições. Por exemplo, o Campeonato Português. Se você tiver jogo do Campeonato Português no domingo, na quarta e no domingo, provavelmente ele vai repetir o maior número de atletas possíveis nessa competição, que é a prioridade."

"Se você tiver, por exemplo, um Campeonato Português no domingo, na quarta você tiver uma Taça da Liga, contra uma equipe de menor expressão, você consegue colocar um número maior de atletas diferentes, porque você não perde tanta qualidade e consegue dar um descanso para os outros."

"Mas, seguindo os jogos de Champions League e Campeonato Português, que têm uma importância grande, acabava repetindo a maioria dos jogadores."

Flamengo x River Plate

Kardec admitiu que sempre torceu pelo Vasco, clube que defendeu por oito anos, entre a base e o profissional. O jogador brincou com isso ao ser perguntado como ele enxergava um possível duelo entre Flamengo e Liverpool no Mundial de Clubes da Fifa. "Na verdade, não estou pensando no Flamengo chegar na final do Mundial", disse, entre risos. "Tem como responder de duas maneiras, como torcedor ou de forma imparcial, mas não vou puxar sardinha para esse lado."

Para a final da Copa Libertadores, ele vê equilíbrio. "Não tenho acompanhado o Campeonato Argentino e não tenho acompanhado o River, mas todo mundo diz que está jogando muito bem. Então, dizer que é favorito ou não, é difícil. O Flamengo está com um timaço. Grandes jogadores, um grande trabalho do treinador... É um time que tem muita tradição, é um time que tem história, é uma camisa que tem peso."

E o coração vascaíno?

O atacante falou também sobre a campanha do Vasco no Campeonato Brasileiro. "Acho que já foi [escapar do rebaixamento]. Acho que tem que olhar para a parte de cima. A Libertadores é muito difícil, mas se manter ali, na Sul-Americana, ter uma competição a mais para disputar é muito importante."

Leia mais sobre: Futebol

Comentários

Últimas notícias

Veja mais notícias »